Bolsa Família: governo divulga novos valores para os beneficiários; confira

Para ter direito a receber o Bolsa Família, é necessário viver em situação de pobreza ou extrema pobreza

O Bolsa Família, um programa de transferência de renda criado pelo governo federal, terá novos valores para os beneficiários. Na prática, eles já estão valendo desde junho e é uma oportunidade de melhorar o poder de compra dos cidadãos.

Desta maneira, o Bolsa Família também ajuda a minimizar o risco de insegurança alimentar. Isto é, quando uma pessoa ou família têm um alimento naquele dia, mas ainda não sabe se terá o que comer nos outros dias.

Então, o programa de transferência de renda é um importante agente para tentar diminuir a desigualdade social. E serve até mesmo para movimentar a economia do país, já que aqueles beneficiários vão consumir no comércio local, gerando receita e até mesmo novos empregos para os trabalhadores.

Novos valores agregados

Atualmente, o valor do Bolsa Família é de R$ 600, desde o dia 1º de janeiro deste ano. No ano passado, de agosto até dezembro, foi esse valor também, mas em caráter emergencial, substituindo os R$ 400 pagos até julho do ano passado.

Agora, já neste segundo semestre de 2023, o Bolsa Família vai ficar ainda mais valorizado, embora o fixo ainda permaneça em R$ 600. Isso porque existem os benefícios agregados para alguns casos, o que fez o valor médio do benefício passar dos R$ 700 por família, um recorde no país, de acordo com dados divulgados pelo governo federal.

No momento, também segundo dados oficiais de Brasília, o Brasil tem 21,2 milhões de beneficiários do Bolsa Família. Enquanto isso, o investimento mensal é de aproximadamente R$ 14,91 bilhões para esses recursos.

Valores ajustados

Assim, as famílias que recebem o Bolsa Família, também já tinham o direito de ter mais R$ 150 por cada filho de 0 a 6 anos de idade, limitado a dois filhos por casal. Agora, quem tem filhos de 7 a 17 anos, também recebe um extra de R$ 50 por filho, limitado a dois.

Por fim, ainda tem um adicional de R$ 50 para quem tem mulheres grávidas ou lactantes na família. E isso tudo também vai fazer com que cerca de 9,8 milhões de pessoas possam receber um valor a mais durante esse período.

Por fim, vale lembrar também que, para ter direito a receber o Bolsa Família, é necessário viver em situação de pobreza ou extrema pobreza, ajudando nas contas do mês. E é necessário também ter inscrição no CadÚnico (Cadastro Único), do Governo Federal.

Saiba mais: Família Individada: saiba como se livrar das dívidas.

Keila Andrade

Jornalista especializada em textos em SEO.