Entenda para que serve o Open Banking

O open banking é a prática que permite a interoperabilidade segura no setor bancário, permitindo que terceiros prestadores de serviços de pagamento e outros prestadores de serviços financeiros acessem transações bancárias e outros dados de bancos e instituições financeiras. 

Anúncios

Desse modo, as organizações terceirizadas são capazes de acessar os dados através do uso de interfaces de programação de aplicativos, ou APIs. 

À medida que a economia global continua a evoluir, o sistema bancário aberto está se tornando mais popular, pois permite transações mais rápidas e seguras em qualquer lugar do mundo.

Além disso, dá aos consumidores mais oportunidades, através do uso de terceiros, de gerenciar suas finanças.

A abertura bancária é possibilitada por uma série de tecnologias, regulamentos e serviços que visam permitir que os desenvolvedores criem novos serviços bancários, novos modelos de negócios bancários e novas capacidades comerciais. 

LEIA MAIS:

CARTÃO DE CRÉDITO
 
CARTÃO DA CAIXA
 
CARTÃO DE CRÉDITO NUBANK
 
CARTÃO PARA NEGATIVADO
             

Desse modo, as novas expectativas dos clientes e as regulamentações centradas em tecnologia são um importante lubrificante para que os bancos abertos prosperem. 

Três forças se combinam para tornar possível o sonho do open banking: mudanças na regulamentação bancária, mudanças na cultura e mudanças na tecnologia.

Afinal, como funciona o Open Banking?

O sistema bancário aberto permite que terceiros prestadores de serviços de pagamento e outros prestadores de serviços financeiros acessem informações pessoais e financeiras dos bancos de seus clientes. 

Antes que isso possa acontecer, o cliente deve conceder acesso para o compartilhamento de informações.

Sendo assim, isso geralmente através de um formulário de consentimento on-line, seguindo um acordo de termos e condições. 

Os provedores terceirizados então acessam os dados compartilhados relevantes através de APIs expostas.

Esses APIs são capazes de processar transações de um banco para outro sem exigir os tediosos passos que os consumidores tiveram que tomar no passado. 

Os APIs também podem analisar o histórico de transações do consumidor para ajudar a identificar produtos e serviços relevantes que personalizam a experiência do cliente. 

Por exemplo, um novo cartão de crédito que oferece uma taxa de juros mais baixa ou mais dinheiro do que seu atual, ou uma conta poupança que ganha mais juros do que o método de poupança atual do consumidor.

No coração de cada chamada API bancária aberta estão os dados, portanto, o acesso ágil aos dados é a primeira porta de chamada em qualquer sistema inovador. 

Mas embora toda empresa fintech queira um lago de dados ágil, eficiente e escalável, a maioria tem um pântano de dados: fontes de dados, uma mistura de dados antigos e novos.

E tudo isso em tempo real e em fluxo contínuo, e um labirinto de barreiras organizacionais. 

Para combater isso, é necessário um sistema de integração eficiente. 

Antes de poder expor os dados em suas aplicações via APIs, você deve primeiro certificar-se de que está trabalhando com uma visão completa.

Além disso, é necessário que todos os dados com os quais os usuários estão trabalhando sejam frescos, precisos e atualizados. 

Esse é o valor da integração. Uma vez integrados, os dados em suas aplicações podem ser expostos de forma segura e direta através de APIs.

Gostou do nosso artigo sobre Open Banking? Então compartilhe nas redes sociais!

Rolar para cima