Economistas analisam qual PT eles querem ver em possível presidencia

Depois que o ex-presidente do Brasil, Luis Inácio Lula da Silva,  voltou a se tornar elegível para uma possível presidência, o mercado voltou a atenção a ele, o que fez com que economistas passassem a verificar qual dos mandatos do presidente seria bem-vindo.

Anúncios

Depois que o mercado teve uma reação negativa sobre a noticia em um primeiro momento, a Bolsa e o Real mudaram esse comportamento logo em seguida.

Considerando então os indicadores da economia, o mercado tem motivos ou não para temer a volta de um governo dominado pelo PT?

Segundo economistas de diferentes perfis, o mercado tem sim seus motivos para gostar dos governos do PT.

Entretanto, motivos para ficar desconfortáveis são vários também.

Na verdade, para os economistas, o que vai depender aqui é qual será a versão do PT que entraria em cena em 2023.

Economistas analisam – 2003 e 2006 – O melhor dos Lulas?

Antes de assumir a presidência, Lula, então eleito assumiu o compromisso de manter o tripé do governo que havia sido criada por Fernando Henrique Collor, que incluía:

  • Metas de inflação;
  • Câmbio flutuante;
  • Responsabilidade fiscal.

O Banco Central, assumiu o compromisso de controlar a inflação, mesmo com os juros altos e passou a deixar o dólar flutuar.

Além disso, os gastos públicos foram controlados, o PIB conseguiu crescer 3,5% em média por ano, enquanto a inflação conseguiu cair de 9,3% em 2003 para 3,14% até o final de 2006.

Já analisando o mercado financeiro, a Bolsa acabou subindo 447% entre os anos de 2003 e 2006.

Análise – 2007 e 2010 – Lidando contra a crise

O inicio do segundo mandato começa a surfar em uma onda internacional favorável.

Com o decorrer, as commodities passam a se valorizar graças às compras cada vez maiores que a China andava fazendo.

Agora, o Brasil começou a vender mais, com preços melhores, além de itens como soja e minério de ferro.

Assim, começa a crescer a quantidade de dólares no país.

A partir desse capital, o país começa a ampliar os seus investimentos em programas de transferências de venda, aumentando o salário mínimo e focando em programas sociais, como a PAC.

Tamanho sucesso faz com que a PIB cresça sem provocar inflação, a pobreza diminui e a renda da população melhora.

Entretanto, no final de 2008 o Brasil passa a ser atingido pela crise financeira global, gerada pela quebra do mercado americano.

Diante dessa situação, o mundo começa a entra em recessão.

Para poder lidar melhor com a crise, o governo mantém os investimentos públicos.

Outras medidas adotadas positivamente pelo governo Lula e que foram aprovados pelo mercado inclui:

  • Redução dos depósitos compulsórios dos bancos;
  • Corte da taxa básica de juros;
  • Criação de linhas especiais de empréstimos das reservas internacionais;
  • Expansão do crédito direcionado via BNDES;
  • Desonerações tributárias temporárias;
  • Aumento do investimento público, inclusive no Minha Casa Minha Vida.

A análise dos economistas – 2011 e 2016 – O desgaste e a piora do cenário externo

Segundo os economistas, a pior versão do PT para o mercado, certamente foi os anos em que Dilma Rousseff governou.

Além disso, foi a partir desse ano que os gastos públicos passaram a sair do controle.

Já no cenário externo, existia diversos efeitos da crise americana a vista, além do início da desvalorização das commodities.

Para conseguir manter a economia rolando, o governo passou a intervir, reduzindo os impostos para alguns setores e incrementando mais investimentos públicos em projetos de infraestrutura, como a Copa do Mundo 2014 e os Jogos Olímpicos Rio 2016.

A partir daí, o PIB começa a perder força, a inflação cresce e o desemprenho ganha terreno.

Por fim, no ambiente doméstico, a Operação Lava Jato começa a afetar os investimentos privados e a geração de emprego.

Que versão do PT os economistas esperam em 2023?

A ideia dos economistas é que o mercado tende a reagir de maneira negativa se o ex-presidente Lula acenar que adotará políticas parecidas com as dos últimos mandatos do governo do PT.

Entretanto, isso não diz respeito somente ao PT, mas a todos os outros candidatos.

Para os economistas a mesma situação acontece agora com o presidente da República, Jair Bolsonaro, que se empolgou com a ideia de que ganha popularidade com o programa do auxílio emergencial.

Gostou deste conteúdo? Siga-nos no Google Notícias:

COMPARTILHAR
COMPARTILHAR
TWITAR

VEJA TAMBÉM:

Copyright © 2019 – 2021 Dinheiro Bem Cuidado CNPJ: 23.654.977/0001-28

Aguarde…