Pegar empréstimos para pagar contas é uma boa opção?

Será que vale a pena pegar empréstimos para pagar contas? Essa é uma pergunta que grande parte dos brasileiros já se fizeram. Aliás, diante da crise econômica e do alto índice de desemprego,pagar empréstimos têm sido a única saída de muitos.

Anúncios

No entanto, fazer a contratação desse tipo de serviço nem sempre é a melhor alternativa. Por isso, antes de optar por um empréstimo, é preciso analisar uma série de critérios a fim de evitar contrair dívidas que poderiam ser evitadas.

Com o intuito de falar mais sobre o assunto, explicamos o que você deve considerar ao optar por pegar empréstimos para quitar suas dívidas. Mostramos quando essa opção vale a pena, e quando ela não vale. Confira na leitura!

Como saber se você deve tomar um empréstimo para pagar contas

 

emprestimo-para-pagar-dividas
emprestimo-para-pagar-dividas

 

LEIA MAIS:

CARTÃO DE CRÉDITO
 
CARTÃO DA CAIXA
 
CARTÃO DE CRÉDITO NUBANK
 
CARTÃO PARA NEGATIVADO
             

Antes de qualquer coisa, é necessário refletir seriamente sobre a necessidade de se pegar  empréstimos para quitar as contas. Tente pensar como a dívida se originou. Geralmente, dívidas se acumulam em situações inesperadas que nos pegam de surpresa.

Entre essas situações, podemos mencionar custos com problemas de saúde, despesas inesperadas com a manutenção de veículos, desemprego e divórcios. De fato, nessas circunstâncias, é muito comum que as despesas fixas e outras sejam colocadas em segundo plano para que se possa atender às novas demandas.

No entanto, para cada um desses casos, é possível encontrar uma saída que não seja o empréstimo. Além disso, existem outras formas de crédito que devem ser consideradas, e, se o acúmulo das contas ainda cabe no orçamento, o ideal é buscar pagá-las sem contrair outras dívidas.

Por outro lado, muitas vezes, o tamanho da dívida inviabiliza uma solução que não passe por essa alternativa. De fato, se as contas ultrapassam o orçamento, então o empréstimo surge como uma forma de complementar a renda e evitar que as despesas se acumulem mês após mês.

A seguir, procuramos apresentar algumas situações em que é vantajoso pegar empréstimos para pagar dívidas. Acompanhe!

Tomando empréstimos para limpar o nome

Muitas pessoas não fazem ideia das dificuldades encontradas pelos negativados para acessar diversos tipos de modalidade de crédito. E essa situação de pegar empréstimos pode piorar bastante a vida financeira de uma pessoa. Isso porque, sem crédito, ela terá que ter sempre dinheiro disponível para se manter.

De fato, a maioria de nós já não consegue imaginar a vida sem, por exemplo, a utilização de cartões de crédito.Mas não é apenas o pagamento das despesas básicas que fica comprometido por conta do nome sujo.Da mesma forma, o acesso a financiamentos para casa própria ou veículos tende a ser restrito para negativados.

Por conta de todos esses motivos, o ideal é que você priorize o pagamento da dívida junto a seu credor. E uma das formas mais inteligentes de se fazer isso por mais contraditório que possa parecer, é por meio de empréstimos.Sim, falamos que é realmente difícil conseguir empréstimo como negativado. Contudo, não falamos que era impossível.

Atualmente, é possível buscar por serviços especializados na concessão desse tipo de crédito, podendo as simulações serem feitas por e-mail. Ademais, é possível oferecer bens como garantia ou solicitar um consignado, os quais são modalidades de empréstimo mais fáceis de contratar.

Por fim, pegar empréstimos e pagar a dívida por conta da qual seu nome foi registrado nos órgãos de proteção ao crédito, você limpa seu nome e tem apenas de arcar com o pagamento das parcelas do novo empréstimo.

Juros do empréstimo inferior aos das dívidas

Em alguns casos, é possível pesar o mal menor e optar pelos empréstimos para pagar dívidas. Esse tipo de situação ocorre quando os juros que incidem sobre o empréstimo que se deseja contratar são significativamente menores do que aqueles que são cobrados em cima das contas acumuladas.

Mas fazer essa comparação pode realmente trazer vantagens? Pensamos que sim, haja vista que dívidas atrasadas com juros altos tendem a crescer rapidamente, podendo se tornar impagáveis.

Nessa circunstância, o mais recomendado é, de fato, tomar o empréstimo e fazer o pagamento integral das contas acumuladas. Isso porque essa estratégia não somente reduz o valor desembolsado para se ver livre da dívida, como também é possível conseguir um prazo mais flexível para o pagamento.

Contratando um empréstimo para escapar do rotativo de cartões de crédito

São muitos os brasileiros que terminam contraindo dívidas por conta do rotativo do cartão de crédito. Isso porque os juros cobrados pelos bancos por financiamentos de dívidas de cartão são altíssimos.

Para que se tenha uma ideia, esses juros podem chegar a mais de 200% ao ano. Além disso, não se engane em relação à possibilidade de pagar o valor mínimo da fatura. Com as novas regras criadas pelo Banco Central esse pagamento somente pode ser feito por 1 mês.

Em uma segunda vez, o usuário deve arcar com os custos advindos do financiamento proposto pelo banco emissor.  Para dar fim à “bola de neve” em que pode se transformar essa dívida o ideal é fazer um empréstimo. Quanto mais cedo você tomar essa iniciativa, menos terá que desembolsar para arcar com os juros advindos do rotativo. Fique esperto!

Tomando empréstimo para pagar o cheque especial

Outra dívida que tende a se acumular e crescer, saindo de controle rapidamente, é a contraída mediante o cheque especial. Embora a fama dessa modalidade de crédito não seja nada boa, são muitas as pessoas que caem na tentação de terem um crédito de acesso rápido e desburocratizado.

Ainda que seja realmente muito fácil ter acesso ao cheque especial, o fato é que essa é uma das formas de crédito mais caras que existem.

Em apenas 12 meses, uma pessoa que contrai esse tipo pegar  empréstimo pode ver quadruplicada sua dívida. Estamos falando de juros de 151,8% ao ano, podendo chegar até 8% ao mês. Por isso, são muitos os que colocam sua vida financeira em sérios apuros com o cheque especial.

Uma forma de escapar a essa armadilha financeira é pesquisando por pegar empréstimos que tenham taxas de juros mais baixas do que as praticadas pelos bancos que oferecem o cheque especial.

Os cuidados que se deve tomar ao pegar empréstimos para fazer o pagamento de contas

Agora que você já sabe quando pode ou deve tomar empréstimos para fazer o pagamento de suas contas, podemos falar sobre alguns cuidados que você deve ter ao contratar esse tipo de serviço. Confira abaixo!

Pesquisando sobre as empresas

Antes de qualquer coisa, tenha sempre em mente que golpes são muito recorrentes e podem acontecer com você também. Muitas vezes, pessoas preocupadas com suas dívidas e com dificuldades de conseguir um bom empréstimo para quitá-las aceitam a primeira boa oferta que lhes é feita.

Mas alertamos que contratar créditos sem pesquisar sobre a reputação e a credibilidade da empresa que oferece o serviço pode ser um péssimo negócio. Para evitar maiores problemas, recomendamos que você verifique se o nome da empresa em questão consta no cadastro de instituições financeiras mantido pelo Banco Central. Essa checagem pode ser feita diretamente no site do órgão.

Atentando-se para o valor das parcelas

Ao contratar um empréstimo, certifique-se de que o valor das parcelas a serem pagas possa ser feito com a renda mensal sem pôr as outras despesas em xeque.

Fazer esse planejamento é fundamental para que você evite o atraso das parcelas e os juros que advêm daí. Mas como ter uma parcela que seja adequada à renda mensal? Para que se possa ter uma ideia desse valor, o ideal é que as parcelas não ultrapassem valores correspondentes a 30% do seu salário. Mais cuidados: atentando-se para o valor de juros e tarifas

Já nos referimos à importância de se ter cuidado com as taxas de juros praticadas pelas instituições financeiras.Para que se tenha uma ideia do valor desses juros, eles podem variar de 2,97% a 17,90% ao mês, no caso do empréstimo pessoal.O impacto que isso pode ter em apenas um ano pode colocar em xeque sua vida financeira.

Além dos juros, existem outras tarifas que são incluídas no valor do empréstimo. Elas compõem o custo efetivo total, que compreende o somatório de todos os encargos embutidos no valor emprestado.

Entre eles, podemos mencionar o imposto sobre operações financeiras, também conhecido como IOF. Esse imposto é cobrado em todo o país e incide sobre operações de câmbio, títulos, seguros e valores mobiliários. Outras tarifas podem ou não ser cobradas pelas empresas que cedem empréstimos, visto que não são obrigatórias.

É o caso, por exemplo, das tarifas de cadastro e os valores embutidos concernentes a possíveis seguros. Para concluir, devemos também fazer um alerta em relação ao que não pode ser cobrado juntamente ao valor do empréstimo. Estamos falando de depósitos antecipados. De fato, esse tipo de cobrança não é praticado pelas instituições que gozam de credibilidade e confiança no mercado.

Dito de outro modo, a cobrança de valores antecipados para cessão do empréstimo pode ser um indício de golpe. Quando não vale a pena pegar um empréstimo para pagar contas

Conforme já mencionamos, existem alguns casos em que não é recomendável contratar empréstimos para pagar dívidas. A seguir listamos algumas dessas situações.

Valores pagáveis

Quando os valores acumulados da dívida conseguem ser encaixados no orçamento, o ideal é que não se recorra aos empréstimos para quitá-los. De fato, essa alternativa deve ser a última opção, quando não há mais como retirar mais dinheiro da renda mensal para o pagamento das obrigações contraídas.

Dito de outro modo, deve-se sempre priorizar a organização do orçamento, a fim de fazer com ele possibilite o pagamento das contas sem a necessidade dos empréstimos.

Juros elevados

Outra situação que não nos parece vantajosa diz respeito aos empréstimos tomados a juros muito altos. Nesse caso, as taxas de juros pagas por esse serviço farão com que ele saia tão caro quanto o pagamento das contas acumuladas. Em outras palavras, você trocará seis por meia dúzia.

Por isso, recomendamos que você pesquisa instituições que ofereçam as taxas de juros mais baixas. O ideal é que essas taxas fiquem sempre bem abaixo das cobradas por seus credores.

Despesas fixas

Não acreditamos que seja uma boa ideia tomar empréstimos para fazer o pagamento de despesas como água, luz e internet. Lembre-se que essas despesas sempre chegam, todos os meses. A tomada de um empréstimo para o pagamento de um mês de despesas fará com que essas mesmas contas cheguem ainda maiores no mês seguinte.

Isso porque é preciso ter em mente que os empréstimos também devem ser pagos. Ao tomá-los para pagar as contas da casa, você poderá fazer com que suas contas se acumulem rapidamente, gerando o efeito “bola de neve”.

Como fazer a pesquisa pelo melhor empréstimo para pagar contas?

Diante de tanta informação e tantos cuidados a serem tomados, você pode estar se perguntando como poderá fazer uma pesquisa que o leve até o empréstimo mais adequado ao custo de suas contas e a seu orçamento. Ao contrário do que se poderia pensar, fazer essa pesquisa de maneira eficiente é muito fácil.

A melhor forma de se fazer isso é utilizando a internet. Por meio da web, você pode ter acesso a diversas opções de empréstimo, as quais podem, inclusive, ser solicitadas online, com o mínimo de burocracia. Algumas das empresas que solicitam esse serviço prometem aprovação da solicitação em apenas alguns minutos.

Ademais, você pode encontrar, entre essas mesmas empresas, algumas com condições de pagamento e taxas de juros muito vantajosas. Além de poder fazer a pesquisa em buscadores, você pode também utilizar ferramentas desenhadas com essa finalidade. Entre elas, temos a disponibilizada pelo site do Serasa, o Serasa eCred. Essa ferramenta faz a comparação automática de diversas ofertas de empréstimo.

Utilizando o empréstimo para pagamento de contas com sabedoria

Assim, podemos concluir que tomar um empréstimo pode, realmente, ajudar você a sair do atoleiro das dívidas. No entanto, usar empréstimo para pagar empréstimos pode também ter o efeito contrário. Ao utilizar essa alternativa em situações desnecessárias, você pode estar criando novas dívidas. Use com sabedoria!

Em que situações você costuma solicitar empréstimos? Compartilhe sua experiência!

Rolar para cima