Publicidade

Confiança do consumidor sobe em fevereiro e inflação termina em alta

Um índice entregue pela Fundação Getulio Vargas (FGV) mediu a confiança do consumidor e confirmou que ele subiu 2,2 pontos em fevereiro, depois e quatro meses de queda, anunciou a instituição nesta quarta-feira, 24.

Publicidade

O que fez a confiança do consumidor subir?

Segundo a coordenadora de sondagens, Viviane Seda Bitterncourt, com o início da campanha de imunização da população contra a Covid-19 andando no país e a possibilidade de existir novamente o auxílio emergencial, o desanimo do consumidor em fevereiro diminuiu.

Publicidade

Viviane destaca, entretanto, que o nível de confiança do consumidor ainda continua baixo e que a tendência de alta só irá ser mantida se a velocidade da vacinação acontecer, além da necessidade da recuperação do mercado de trabalho.

Para ela, essa recuperação no mercado de trabalho é algo bem difícil de acontecer no primeiro semestre.

Inflação do país fica em 0,48% em fevereiro

Conforme emitiu o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15, uma prévia da inflação oficial no país, ficou em 0,48% em fevereiro, conforme foi divulgado hoje na quarta-feira (24).

O que você procura?

CARTÃO DE CRÉDITO
   
APROVAÇÃO NO CARTÃO
   
CARTÃO PARA NEGATIVADO
   
CARTÃO SEM ANUIDADE

Esse é o maior resultado da inflação do país para um mês de fevereiro desde 2017, quando o índice chegou em 0,54%.

Publicidade
Santander BR

Esse indicador desacelerou se comparado com o mês de janeiro, quando o mês ficou em 0,78%, o maior número para o mês de janeiro dentro de cinco anos.

Já analisando o acumulo em 12 meses, o IPCA-15 acumula uma alta de 4,57%, acima dos 4,30% que foram registrados nos 12 meses anteriores ao mais recente.

De acordo com o que o IBGE disponibilizou, os combustíveis foram os itens que mais impulsionaram a inflação em fevereiro para cima, principalmente a gasolina.

O impacto do combustível sobre o indicador foi de 0,17 ponto percentual.

No mês de fevereiro os combustíveis acumularam alta de 3,34%, enquanto a gasolina, sozinha subiu 3,52%, foi a oitava alta seguida do preço.

Além disso, outros combustíveis também subirem, como:

  • Óleo diesel (2,89%);
  • Etanol (2,36%);
  • Gás veicular (0,61%).

Com essa alta no combustível, o grupo que envolve os transportes também acabou tendo uma alta de 1,11%, muito acima do que ficou o mês de janeiro, que aumentou para esse grupo cerca de 0,14%.

Mesmo que esse tenha sido o grupo que recebeu o maior impacto no IPCA-15 de fevereiro, a maior alta na verdade chegou na educação, que ficou com 2,39%.

Portanto, esse foi o segundo maior impacto no resultado desse mês, com 0,15 ponto percentual.

Por que a educação subiu tanto?

Segundo o IBGE o desempenho do grupo de educação reflete os reajustes que o setor passou no início do ano letivo.

O que aconteceu foi que as instituições fizeram a retirada de descontos que foram praticados ao longo de 2020.

Em razão do contexto da pandemia de COVID-19, retiraram esses benefícios.

Quais são as perspectivas e a meta da inflação envolvendo a confiança do consumidor

Sabemos que a meta central do governo para a inflação em 2021 é cerca de 3,75% e o intervalo que será incluído dentro da tolerância seria de 2,25% a 5,52%.

Para poder alcançar esse resultado, o Banco Central irá elevar ou reduzir a taxa básica de juros da economia (Selic), que está atualmente em 2% no ano.

Já os analistas das instituições financeiras projetam uma inflação que pode chegar até 3,82% no ano, acima da meta que o governo prevê.

Em 2020, a inflação fechou em 4,52%, acima do centro da meta do que o governo previa, que era de 4%.

Esses dados mostram que 2020 teve a maior inflação desde 2016.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.