Portal de Economia e Finanças

O que é o Fundo Garantidor de Crédito (FGC) e para que ele serve

3

Investir é correr riscos. Todavia, para assegurar que o recurso investido não seja jogado fora, o governo cria mecanismos para atenuar possíveis perdas. Dá prioridade, especialmente, aos pequenos investidores. Nesse contexto, o Fundo Garantidor de Crédito (FGC) é um dos mecanismos mais importantes. Você sabe o que ele é? Como funciona? 

Publicidade

Com o objetivo de esclarecer o tema, fizemos este artigo. Leia e confira! 

Publicidade

O que é o Fundo Garantidor de Crédito (FGC)

O FGC é uma associação civil sem fins lucrativos, visto que não possui como objetivo o lucro, mas sim prestar garantia de créditos aos clientes das instituições que participam do fundo. Para saber quais empresas estão associadas, basta visitar o site oficial do FGC.  Em síntese, o FCG é garante o investidor em eventuais oscilações do mercado. 

Em 1995, o Conselho Monetário Nacional criou o FGC como mecanismo das autoridades competentes em oferecer uma segurança diante a crescente preocupação com a estabilidade do sistema financeiro nacional. Apesar do órgão afirmar não ser “apenas um pagador de dívidas”, que surge apenas em momentos delicados, a existência do FGC assegura os investidores mais conservadores, que se apegam a ele para tomar decisões sobre investimentos.

Ademais, o FGC é um mecanismo de segurança do mercado, que protege os investidores e, assim,  oferece segurança ao sistema financeiro. Com isso, há uma minimização do risco de crédito. O FGC  serve, portanto, para resguardar os investidores da eventual falência das instituições. Além disso, o FGC serve para proteger o mercado de riscos sistêmicos, que são causados por quebras de instituições (que geram uma corrida bancária).

Dessa forma, com o investidor fica mais seguro, o sistema todo também ficará. Isso beneficia a todos. 

Investimentos assegurados

O FGC protege diversos depósitos, além de investimentos. Você encontra a lista completa no site da instituição. Todavia, as principais aplicações seguradas são:

Publicidade
  •       LH (Letras Hipotecárias);
  •       LI (Letras Imobiliárias);
  •       RDB (Recibo de Depósito Bancário);
  •       LC Letras de câmbio;
  •       LCA (Letra de Crédito do Agronegócio);
  •       LCI (Letra de Crédito Imobiliário);
  •       CDC (Certificado de Depósito Bancário);
  •       Poupança.  

Limite de cobertura

Embora seja um mecanismo muito importante para dar segurança a investidores, o FGC não cobre todas as situações. Em primeiro lugar, há o limite de investimento para cada CPF. O limite é de 250 mil reais por instituição participante, porém com um teto de R$1 milhão por investidor. A validade do seguro vai até 4 anos. Fique atento quanto a isso. 

Assim, para que o recurso investido seja totalmente coberto pelo FGC, você não deve manter mais do que 250 mil em uma mesma instituição (pelo menos não com o mesmo CPF ou CNPJ). Após 4 anos, o órgão revisa o teto.

Publicidade

Vale destacar que, conforme você pode notar, o FGC não engloba todos os tipos de investimento. Pelo contrário, se limita aos de renda fixa. Dessa maneira, a instituição não cobre os investimentos em renda variável Logo, o risco é maior.

Sendo assim, o FGC é muito importante para assegurar que investidores não percam tudo que investiram ao longo de anos. Além disso, é uma ferramenta poderosa para proteger, especialmente, pequenos investidores que aplicam em renda fixa. Por isso, invista em modalidades que o FGC assegura. Não corra riscos desnecessários. Invista com inteligência. E, acima de tudo, conheça sobre os mecanismos do mercado. 

Gostou do que leu? Então saiba como calcular o FGTS passo a passo! 

 

Publicidade
3 Comentários
  1. Ulisses santos oliveira Diz

    Dinheiro bemcuidado

  2. Ulisses santos oliveira Diz

    Cartão de crédito

  3. Ulisses santos oliveira Diz

    Eu quero esse cartão

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.